Um ano depois, um morto por minuto no Brasil

O Ministério da Saúde confirmou a 1ª morte por covid-19 em 17 de março de 2020. Um ano depois, as autoridades notificaram mais de 282 mil vítimas no país.


Durante esse período foram, em média, 32 mortes confirmadas a cada hora e 775 registros por dia. O ritmo atual da pandemia, contudo, é o mais intenso já observado até o momento. Neste mês de março, são 1.699 mortes por dia, o que equivale a 71 por hora ou 1,18 morte por minuto.


O número total de mortes confirmadas é superior às populações de cidades como Barueri (SP), Juazeiro do Norte (CE) e Volta Redonda (RJ).


A média móvel de novas vítimas ultrapassa picos sucessivos desde 24 de fevereiro. Atingiu 1.965 na 3º feira (16.mar.2021), dia em que o país também registrou novo recorde no número de mortes confirmadas (2.841).


Mas o coronavírus atinge de forma diferente cada parte do Brasil. No Amazonas, por exemplo, o ritmo de mortes diminuiu.


O Estado enfrentou uma crise de falta de oxigênio no início de fevereiro. A média móvel chegou à máxima de 149 no dia 4 daquele mês. Nessa 3ª (16.mar), a curva estava em 40.


No Rio Grande do Sul, por outro lado, as mortes dispararam. A média móvel chegou a 253, também na 3ª (16.mar). Há um mês, a curva estava em 42.


Levantamento do Poder360 indica que, mantido este ritmo, março também pode se tornar o mês com mais vítimas de coronavírus por data real.


Isso significa que os números elevados observados nas últimas semanas não são apenas de mortes de períodos anteriores que estão sendo confirmadas agora. Mais pessoas estão efetivamente sucumbindo à doença.

Posts recentes

Ver tudo

Fake news como prova contra urna eletrônica

As provas de fraude nas urnas eletrônicas que o presidente Jair Bolsonaro prometeu apresentar nesta quinta-feira, 29, foram uma mistura de fake news, vídeos descontextualizados que circulam há anos na

Centrão na Casa Civil, Onyx vai para o Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério, informa O Estado de S. Paulo. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civ