Bolsonaro consolida liderança no Datafolha



Pesquisa Datafolha divulgada na noite de ontem confirmou o Ibope de anteontem: o deputado Jair Bolsonaro (PSL) cresceu mais quatro pontos, abriu diferença de onze e se mantém na liderança da disputa pela Presidência com 32% das intenções de voto.

O candidato petista Fernando Haddad oscilou um ponto para baixo, agora tem 21%, seguido por Ciro Gomes (PDT), que manteve os 11% da última pesquisa. O quarto colocado é Geraldo Alckmin (PSDB), com 9% - oscilou um ponto para baixo.

Marina Silva (Rede) tem 4%, seguida de João Amoêdo (Novo), com 3%; Henrique Meirelles (MDB), Alvaro Dias (Podemos) e Cabo Daciolo (Patriota), com 2%. Os candidatos Vera Lúcia (PSTU), Guilherme Boulos (PSOL), Eymael (DC) e João Goulart Filho (PPL) não pontuaram.


Assim como no Ibope, a rejeição a Haddad cresceu no Datafolha. O aumento, que no outro instituto foi de 11 pontos porcentuais, foi de nove pontos na pesquisa de agora — ou seja, passou de 32% para 41%. Bolsonaro oscilou um ponto para baixo em seu índice de rejeição, com 45%. Segue sendo a taxa mais alta entre os presidenciáveis.


Na simulação de segundo turno, num primeiro cenário, Bolsonaro e Haddad empatariam dentro da margem de erro, com 44% do candidato do PSL contra 42% do petista — na pesquisa anterior, Haddad ganhava de 45% a 39%. Ao contrário do que mostrou o Ibope, Ciro também empata tecnicamente com o capitão. Neste cenário, o pedetista teria 46%, ante 42% do adversário. No levantamento do outro instituto, Ciro ganha de 45% a 39%. Geraldo Alckmin pontuaria 43%, contra 41% de Bolsonaro — outro empate técnico.


O Datafolha entrevistou 3.240 eleitores em 225 cidades nesta terça-feira.

Posts recentes

Ver tudo

Biden confirmado depois do ataque à democracia

O Congresso dos Estados Unidos ratificou nesta quinta-feira a vitória do democrata Joe Biden na eleição presidencial no ano passado. Em uma sessão que se estendeu por toda a madrugada, retomada após a

Vacinas de Oxford podem chegar ao Brasil este mês

O Ministério das Relações Exteriores (MRE) afirmou nesta terça-feira que não há proibição do governo da Índia para que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) importe 2 milhões de doses prontas da vacina co

Cadastre-se para receber as análises por e-mail

© 2023 by Talking Business.  Proudly created with Wix.com