Acordo caro para o trabalhador

Em troca de apoio do “Centrão” à sua candidatura à Presidência, Geraldo Alckmin parece estar de acordo com a proposta do Solidariedade – partido presidido por Paulinho da Força, investigado pela Polícia Federal –, que prevê a cobrança do teto de 1% sobre a remuneração bruta recebida pelo trabalhador no ano. O percentual é quatro vezes maior que os 0,25% correspondentes a um dia de trabalho, descontado compulsoriamente do trabalhador em forma de contribuição sindical antes da reforma trabalhista.


PRIORIDADES


De todos os pontos considerados polêmicos na reforma trabalhista, como a questão das grávidas em local insalubre, o trabalho intermitente ou as restrições à gratuidade na Justiça, apenas o imposto sindical foi negociado por Geraldo Alckmin e Paulinho da Força em troca do apoio. Mas a proposta do “Centrão” avança mais, como a cobrança no valor de 1% sobre o 13º salário de aposentados e pensionistas, funcionários públicos e trabalhadores domésticos.

Posts recentes

Ver tudo

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que