Acordo caro para o trabalhador

Em troca de apoio do “Centrão” à sua candidatura à Presidência, Geraldo Alckmin parece estar de acordo com a proposta do Solidariedade – partido presidido por Paulinho da Força, investigado pela Polícia Federal –, que prevê a cobrança do teto de 1% sobre a remuneração bruta recebida pelo trabalhador no ano. O percentual é quatro vezes maior que os 0,25% correspondentes a um dia de trabalho, descontado compulsoriamente do trabalhador em forma de contribuição sindical antes da reforma trabalhista.


PRIORIDADES


De todos os pontos considerados polêmicos na reforma trabalhista, como a questão das grávidas em local insalubre, o trabalho intermitente ou as restrições à gratuidade na Justiça, apenas o imposto sindical foi negociado por Geraldo Alckmin e Paulinho da Força em troca do apoio. Mas a proposta do “Centrão” avança mais, como a cobrança no valor de 1% sobre o 13º salário de aposentados e pensionistas, funcionários públicos e trabalhadores domésticos.

Posts recentes

Ver tudo

PIB surpreende e cresce1,2% no 1º trimestre

A economia brasileira começou 2021 em crescimento, confirmando a melhora de perspectivas para o ano como um todo e aumentando as chances de as perdas causadas pela covid-19 serem recuperadas até dezem

Rejeição a Bolsonaro volta ao recorde de 59%

Pesquisa PoderData, do portal Poder360, realizada nesta semana (24-26.mai.2021) mostra que a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro voltou a subir e igualou o recorde de 59%, uma alta de 5

Ministro Salles acusado de facilitar contrabando

Ao autorizar a abertura da Operação Akuanduba na manhã desta quarta, 19, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, afirmou que as investigações da Polícia Federal descortinaram um ‘

Cadastre-se para receber as análises por e-mail

© 2023 by Talking Business.  Proudly created with Wix.com