Trabalho repartido em três. Marinho deve ser secretário


O Ministério do Trabalho será extinto e dividido em três áreas, anunciou o ministro que coordena a transição e futuro chefe da Casa Civil, Onix Lorenzoni.

O Ministério da Justiça, que será comandado por Sérgio Moro, cuidará da concessão de cartas sindicais, assim como a fiscalização do trabalho escravo. A estrutura que lida com políticas ligadas ao emprego ficará uma parte no Ministério da Economia, cujo titular será Paulo Guedes, e outra parte na pasta da Cidadania, com Osmar Terra de ministro.


E o relator da reforma trabalhista, deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), é cotado para ocupar o cargo de secretário adjunto na Secretaria de Trabalho e Previdência, dentro do superministério da Economia.


Marinho é o preferido de Paulo Guedes. Pelo organograma em estudo, Trabalho e Previdência ficam dentro da Secretaria da Receita, que será comandada por Marcos Cintra. O relatório de Marinho, aprovado pelos deputados em abril do ano passado, alterou cerca de cem pontos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e modernizou as relações trabalhistas no Brasil. A reforma atendeu a pleitos históricos do mercado de trabalho e reforçou a terceirização da atividade-fim das empresas. Ele não foi reeleito no último pleito.

Posts recentes

Ver tudo

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que