Partidos alinhados e o preço do apoio: querem mais "diálogo"


Apesar do aceno do presidente Jair Bolsonaro de que iniciará a liberação de emendas impositivas e de que abrirá para os parlamentares o direito de indicar aliados para cargos federais nos Estados, líderes de partidos alinhados com o governo, mas que ainda não integram a base, já estabeleceram novas barreiras que deverão ser superadas pelo Palácio do Planalto para que a tramitação da reforma comece, informa o Valor Econômico.


Além de reforçar o pedido para que o governo melhore seu diálogo com o Congresso, prevalece o sentimento de que nada será feito até que o projeto com mudanças nas regras de aposentadoria chegue ao Congresso - a expectativa é que o texto chegue em até 30 dias, segundo estimativa do secretário especial da Previdência, Rogério Marinho.


Ao Valor, líderes de legendas alinhadas ao governo avaliam que a liberação de emendas e a abertura para indicações em cargos nos Estados não serão suficientes para que as siglas decidam se aproximar do governo e deem garantias de apoio à reforma. Um dos líderes destacou que esse “é apenas o primeiro passo de um longo caminho” que terá que ser percorrido por Bolsonaro e seus auxiliares para conseguir ampliar a rede de apoio ao Palácio do Planalto.


O pacote de pedidos, costurado por líderes para demonstrar descontentamento com a articulação do governo, também inclui críticas à “atuação ineficaz” do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e do Major Vitor Hugo, líder do governo na Câmara, considerado por seus colegas como muito inexperiente.

Posts recentes

Ver tudo

Fake news como prova contra urna eletrônica

As provas de fraude nas urnas eletrônicas que o presidente Jair Bolsonaro prometeu apresentar nesta quinta-feira, 29, foram uma mistura de fake news, vídeos descontextualizados que circulam há anos na

Centrão na Casa Civil, Onyx vai para o Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério, informa O Estado de S. Paulo. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civ