top of page

Partidos alinhados e o preço do apoio: querem mais "diálogo"


Apesar do aceno do presidente Jair Bolsonaro de que iniciará a liberação de emendas impositivas e de que abrirá para os parlamentares o direito de indicar aliados para cargos federais nos Estados, líderes de partidos alinhados com o governo, mas que ainda não integram a base, já estabeleceram novas barreiras que deverão ser superadas pelo Palácio do Planalto para que a tramitação da reforma comece, informa o Valor Econômico.


Além de reforçar o pedido para que o governo melhore seu diálogo com o Congresso, prevalece o sentimento de que nada será feito até que o projeto com mudanças nas regras de aposentadoria chegue ao Congresso - a expectativa é que o texto chegue em até 30 dias, segundo estimativa do secretário especial da Previdência, Rogério Marinho.


Ao Valor, líderes de legendas alinhadas ao governo avaliam que a liberação de emendas e a abertura para indicações em cargos nos Estados não serão suficientes para que as siglas decidam se aproximar do governo e deem garantias de apoio à reforma. Um dos líderes destacou que esse “é apenas o primeiro passo de um longo caminho” que terá que ser percorrido por Bolsonaro e seus auxiliares para conseguir ampliar a rede de apoio ao Palácio do Planalto.


O pacote de pedidos, costurado por líderes para demonstrar descontentamento com a articulação do governo, também inclui críticas à “atuação ineficaz” do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e do Major Vitor Hugo, líder do governo na Câmara, considerado por seus colegas como muito inexperiente.

Posts recentes

Ver tudo

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que

bottom of page