Haddad usa fake para atacar Mourão


Em sabatina hoje ao jornal O Globo, o candidato petista Fernando Haddad repetiu um erro produzido e espalhado por sua militância a respeito do candidato a vice do PSL, general Mourão, a quem chamou de torturador. A acusação foi feita inicialmente pelo músico Geraldo Azevedo, em show em Jacobina, na Bahia. Disse que foi preso duas vezes na ditadura em 1969 e que o general Mourão era um de seus torturadores.


A fala foi gravada e o vídeo espalhado pelo senador Lindbergh Faria. Fernando Haddad acreditou, mas era fake news, pois o músico reconheceu o erro e pediu desculpas pelo “transtorno causado”.


Mourão respondeu rápido: “Esse cara bebeu. Observe que, em 1969, eu estava no Colégio Militar, em Porto Alegre, no 1º ano do 2º grau”. Tinha, portanto, apenas 16 anos. Consulta à Comissão da Verdade não mostra citação alguma a Mourão, que entrou para a Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) em 1972.


Ficou ruim para o candidato Fernando Haddad fazer uso de fake news, no momento em que acusa o adversário de Bolsonaro pelo mesmo método.

Posts recentes

Ver tudo

Fake news como prova contra urna eletrônica

As provas de fraude nas urnas eletrônicas que o presidente Jair Bolsonaro prometeu apresentar nesta quinta-feira, 29, foram uma mistura de fake news, vídeos descontextualizados que circulam há anos na

Centrão na Casa Civil, Onyx vai para o Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério, informa O Estado de S. Paulo. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civ