Bolsonaro: “esquerdalha” é ameaça à Argentina


O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira que “o Rio Grande do Sul pode virar um Estado como Roraima”, caso o kirchnerista Alberto Fernández vença as eleições presidenciais argentinas em outubro, informa o Estadão. Fernández, companheiro de chapa da ex-presidente Cristina Kirchner, teve mais de 15 pontos de vantagem para o presidente Mauricio Macri nas primárias de ontem, que servem como uma espécie de termômetro para a disputa pela Casa Rosada. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva felicitou Fernández, por meio do Twitter.


“Se esta esquerdalha voltar na Argentina, nós poderemos ter no Rio Grande do Sul um novo Estado, como o de Roraima, e não queremos isso”, disse o presidente em referência ao êxodo migratório provocado pela crise econômica na Venezuela. “Não queremos ver irmãos argentinos fugindo para cá, caso essas eleições se confirmem” .


O presidente ainda vinculou os kirchneristas a outras lideranças de esquerda no Brasil, na Venezuela e em Cuba: “Não esqueçam que na Argentina a turma da Cristina Kirchner, que é a mesma da Dilma (Rousseff), (Nicolás) Maduro, (Hugo) Chávez e Fidel Castro deram um sinal de vida (sic) aqui no Brasil (o presidente se referia à Argentina), ao lado do povo gaúcho. Existe uma turma aí que quer roubar nossa liberdade, e essa turma apoia a Venezuela, Cuba e Coreia do Norte. Não podemos esquecer isso”.

Posts recentes

Ver tudo

Bolsonaro na ONU, monte de mentiras e exageros

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Pacheco devolve MP que liberava as fake news

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Fux: ameaça de Bolsonaro é atentado à democracia

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que