TSE pode julgar o registro de Lula amanhã

Em sessão extraordinária marcada para amanhã, às 14h30, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve analisar os pedidos de registro de candidatos à Presidência da República ainda pendentes de julgamento pelo plenário, informou o Broadcast Político, do Estadão, com fontes do tribunal.


Esta sessão ocorrerá um dia depois do prazo final para o envio ao TSE da defesa do ex-presidente Lula (PT), preso e condenado na Operação Lava Jato. O pedido de registro do petista tem 16 contestações.


O Novo (partido do candidato João Amoêdo) reforçou ao TSE o pedido para barrar a participação de Lula no horário eleitoral do rádio e da televisão. As peças de publicidade dos presidenciáveis no horário eleitoral serão veiculadas às terças, quintas e sábados, começando neste sábado.


Espera-se que seja levado ao plenário o pedido de medida cautelar para barrar a presença de Lula no horário eleitoral, mas ministros não descartam a possibilidade de o próprio registro do ex-presidente ser julgado.


A jogada do Partido dos Trabalhadores é adiar a decisão ao máximo para poder garantir a foto do ex-presidente na urna eletrônica e suas imagens na propaganda de rádio e tevê.


Ou seja, o eleitor pode votar em Fernando Haddad pensando que está votando em Lula. Assim, o vice tomaria posse como presidente e o titular Luiz Inácio governaria da cadeia.


Mas o PT precisa ter cautela: esperteza, quando é muita, come o dono, já dizia Tancredo Neves.

Posts recentes

Ver tudo

PIB surpreende e cresce1,2% no 1º trimestre

A economia brasileira começou 2021 em crescimento, confirmando a melhora de perspectivas para o ano como um todo e aumentando as chances de as perdas causadas pela covid-19 serem recuperadas até dezem

Rejeição a Bolsonaro volta ao recorde de 59%

Pesquisa PoderData, do portal Poder360, realizada nesta semana (24-26.mai.2021) mostra que a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro voltou a subir e igualou o recorde de 59%, uma alta de 5

Ministro Salles acusado de facilitar contrabando

Ao autorizar a abertura da Operação Akuanduba na manhã desta quarta, 19, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, afirmou que as investigações da Polícia Federal descortinaram um ‘