TSE pode julgar o registro de Lula amanhã

Em sessão extraordinária marcada para amanhã, às 14h30, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve analisar os pedidos de registro de candidatos à Presidência da República ainda pendentes de julgamento pelo plenário, informou o Broadcast Político, do Estadão, com fontes do tribunal.


Esta sessão ocorrerá um dia depois do prazo final para o envio ao TSE da defesa do ex-presidente Lula (PT), preso e condenado na Operação Lava Jato. O pedido de registro do petista tem 16 contestações.


O Novo (partido do candidato João Amoêdo) reforçou ao TSE o pedido para barrar a participação de Lula no horário eleitoral do rádio e da televisão. As peças de publicidade dos presidenciáveis no horário eleitoral serão veiculadas às terças, quintas e sábados, começando neste sábado.


Espera-se que seja levado ao plenário o pedido de medida cautelar para barrar a presença de Lula no horário eleitoral, mas ministros não descartam a possibilidade de o próprio registro do ex-presidente ser julgado.


A jogada do Partido dos Trabalhadores é adiar a decisão ao máximo para poder garantir a foto do ex-presidente na urna eletrônica e suas imagens na propaganda de rádio e tevê.


Ou seja, o eleitor pode votar em Fernando Haddad pensando que está votando em Lula. Assim, o vice tomaria posse como presidente e o titular Luiz Inácio governaria da cadeia.


Mas o PT precisa ter cautela: esperteza, quando é muita, come o dono, já dizia Tancredo Neves.

Posts recentes

Ver tudo

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que