Toffoli: “Lava Jato não manda nas instituições”


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, afirmou nesta segunda-feira que a Lava-Jato só existe por causa da atuação da Corte e disse que a força-tarefa responsável pela operação não manda nas instituições. Toffoli criticou a atuação do Ministério Público Federal na Lava-Jato e reforçou que não se pode permitir a apropriação das instituições: "A Lava-Jato só existe pelo STF".


Ele participou de um almoço-debate promovido pelo Lide, em São Paulo: "A Lava-Jato é fruto da institucionalidade, não é a institucionalidade. É resultado das instituições, não manda nas instituições". Ao falar que é preciso combater a apropriação das instituições, atacou a tentativa de a força-tarefa fazer uma fundação privada para gerir até R$ 2,5 bilhões.


Em crítica sem citar nomes, Toffoli disse que o "país não se faz de heróis, se faz de projetos e trabalho". Ao defender sua própria decisão de suspender inquérito com o uso de dados do Coaf contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Toffoli disse que foi para proteger a sociedade: "O poder tende a ser absoluto e o poder absoluto corrompe. Não podemos ter instituições com poder absoluto", disse, em mais uma crítica à atuação dos promotores da força-tarefa da Lava-Jato.


O ministro fez diversos elogios ao governo do presidente Jair Bolsonaro e disse que a decisão do ministro Paulo Guedes de transferir o Coaf para o Banco Central foi correta. Toffoli disse ainda que o STF garantiu estabilidade ao país em momentos de crise. Ele deixou o evento sem falar com a imprensa.

Posts recentes

Ver tudo

Centrão na Casa Civil, Onyx vai para o Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério, informa O Estado de S. Paulo. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civ

Mendonça para o STF, 'terrivelmente evangélico'

O presidente Jair Bolsonaro indicou formalmente o chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), André Mendonça, para assumir a vaga deixada por Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). A indi