Quem tem padrinho, não morre pagão

A esperteza não se restringe aos atores políticos. Faz parte do cotidiano dos eleitores, principalmente daqueles de baixo poder aquisitivo que habitam os fundões do país. As correntes fisiológicas ainda pesam forte na balança eleitoral, chegando a ultrapassar 25% do eleitorado.

Trata-se de remanescentes do apadrinhamento, ainda bem acentuada nas regiões norte, nordeste e centro-oeste, além de redutos periféricos das metrópoles acostumados às práticas clientelistas. “Quem tem padrinho, não morre pagão”, é a voz corrente nos currais eleitorais.

Posts recentes

Ver tudo

Ricardo Salles pede demissão do governo

Alvo de investigações, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pediu hoje demissão do governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Logo depois, Salles concedeu entrevista a jornalistas justificando a

Impactos na economia do Brasil das 500 mil mortes

A marca de 500 mil mortes por covid-19 é muito mais que qualquer comparação que possa ser feita: sete Maracanãs lotados em final de Copa do Mundo, uma cidade como Florianópolis, o total de nascidos em

PIB surpreende e cresce1,2% no 1º trimestre

A economia brasileira começou 2021 em crescimento, confirmando a melhora de perspectivas para o ano como um todo e aumentando as chances de as perdas causadas pela covid-19 serem recuperadas até dezem