Porandubas Políticas 676

Abro a coluna com duas historinhas: uma, da Bahia de Otávio Mangabeira, outra de Jânio Quadros. O professor Nelson Valente, quem mais conhece a história de JQ, tem um grande repertório de casos e "causos". E livros.


Vieram e não me encontraram

Otávio Mangabeira foi governador da Bahia, ministro de Relações Exteriores e um sábio da velha política. Tinha um amor todo especial à língua. E cuidava do português a todo preço. Chega uma comissão de professoras ao palácio, Mangabeira as recebe no salão.

– Governador, nós viemos aqui conversar com V. Excelência sobre a situação do ensino na Bahia. (Deviam, claro, ter dito "vimos", que é o presente. "Viemos" é o passado.).

Mangabeira respondeu apenas:

– Que pena, senhoras professoras, vieram e não me encontraram. E voltou para o gabinete.


Adão

O agricultor Antenor Vieira Borges, residente em Santa Catarina e que mandou ao presidente Jânio Quadros uma maçã de 850 gramas, colhida em sua plantação, recebeu o seguinte bilhete do presidente da República:

"Prezado Antenor: Abraços. Recebi a maçã de 850 gramas, que você enviou, produto da técnica e das terras catarinenses. Um colosso! Não há Adão que resista a essa fruta".


Ânimo e desânimo

O ânimo perde para o desânimo nesse estágio em que estamos. A pandemia está começando a tirar os mais jovens das casas, o que gera maior propensão à contaminação. O clima de irritação se soma a uma atitude "seja o que Deus quiser", um certo conformismo com a situação. A angústia reluta em ir embora. E os números surpreendentes que lotam os cemitérios vão se tornando coisas banais.


Mais afetados

Registro mensagem que recebi. Os países mais afetados pela Covid-19 são Estados Unidos, Brasil, Rússia, Índia, Espanha, Reino Unido, Itália e França. Comandados por Donald Trump, Jair Bolsonaro, Vladimir Putin, Narendra Modi, Pedro Sanchez, Boris Johnson, Giuseppe Conte e Emmanuel Macron.


Mulheres: melhores

Já os países que melhor administram a pandemia são: Alemanha, Taiwan, Nova Zelândia, Islândia, Finlândia, Noruega e Dinamarca. Sob a gestão de Angela Merkel, Tsai Ing-wen, Jacinda Ardern, Sanna Marin, Erna Solberg e Helle Thorning-Schmidt.


Imagem do Brasil

Nunca o Brasil teve imagem tão ruim no concerto das Nações como neste momento. E o governo, a partir do presidente, não tem dado nenhum sinal de preocupação. O chanceler Ernesto Araújo mostra-se incapaz de acompanhar a diplomacia internacional. Faz do Ministério das Relações Exteriores um ambiente hostil aos diplomatas que não comungam com seu credo ultraconservador. Desprezando o tabuleiro da diplomacia internacional, ameaça jogar o Brasil para fora do jogo das Nações.


Haia

A denúncia contra o presidente no Tribunal Internacional de Haia não mereceu de Bolsonaro nenhuma palavra. Seus assessores julgam a questão como coisa menor, insignificante. Terrível: quem passa por aquela Corte são os piores ditadores do planeta, alguns considerados genocidas.


Guedes perde gente

O ministro Paulo Guedes perdeu mais um quadro de sua equipe: Caio Megale, da Secretaria Econômica. Já perdera Mansueto de Almeida, do Tesouro, e Marcos Troyjo, do Comércio Exterior. E quem está saindo também é o presidente do BB, Rubem Novaes. Diz Guedes que está elevando ainda mais o nível de sua equipe. Conversa mole pra boi dormir. Impressão é que a turma que deixa o governo, o faz não apenas por questão de salário. A taxa média de felicidade no governo Bolsonaro deve ser abaixo de 5.


Recursos para a campanha

A campanha municipal deste ano será uma das mais baratas e modestas que o país terá. Municípios quebrados, cofres vazios, saúde devastada com estabelecimentos hospitalares sem equipamentos, pandemia provocando retração do eleitorado, eleitor mais consciente e exigente, candidatos sem os dribles verbais do passado - essa será a paisagem de novembro.


Grandes, médios e pequenos

Teremos uma campanha centrada em nomes e não em partidos. Grandes e médios partidos poderão se surpreender com o desprezo que o eleitor tende a demonstrar na campanha. As aglomerações serão poucas, o temor da pandemia esvaziará comícios. O que ouviremos será forte buzinaço, com eleitores dentro de carros sentindo-se seguros contra o novo coronavírus.


Marcos da Costa

O advogado Marcos da Costa, que comandou a OAB/SP por dois mandatos, deverá ser o candidato do PTB à prefeitura de São Paulo. Marcos está à frente de um bom programa de debates – "Conversa entre Amigos" – onde recebe políticos, empresários, advogados e quadros da comunicação para debater questões nacionais. É reconhecido como um grande gestor.


Bruno Covas

Quem será o vice na chapa de Bruno Covas? Pensam em Marta Suplicy, que tem boa imagem nas margens. Mas as pressões são intensas. Mulher terá boa votação esse ano. Basta ver o número de mulheres a disputar as prefeituras de capitais. Mais de 10. Chapa pura só de tucanos não seria boa coisa. O tucanato está em queda.


As margens seguram

Muita gente intrigada com a performance de Jair Bolsonaro na faixa dos 30% de aprovação do governo. Explicação plausível: o auxílio emergencial de R$ 600,00. O Nordeste, onde o presidente teve votação mais baixa, aplaude o auxílio. Esse programa deve se tornar o símbolo social do governo. Chama-se Renda Brasil e substituirá o Bolsa Família. Cada governante com seu bornal a tiracolo. Lembrem-se de minha repetida equação: BO+BA+CO+CA=Bolso Cheio, Barriga Satisfeita, Coração Agradecido, Cabeça decidindo votar no patrono do bolso.


Guedes liberal

E o Paulo Guedes com sua bandeira liberal, hein? Era a coluna vertebral do governo Bolsonaro. Um amplo programa de privatização que previa a privatização de cerca de 600 empreendimentos governamentais. Até o BB estava nessa. Mas aí chegou para nos visitar o Senhor Imponderável dos Infernos, com a capa da morte que cobre os cemitérios do planeta. Pior, esse senhor, de nome Covid-19 não tem pressa para ir embora. Vai aumentar o seu círculo de mortos e contaminados por um longo tempo.


Centrão se quebra

O Centrão, que reúne em torno de 250 deputados, começa a afinar com a saída do bloco do MDB e do DEM. O Bloco é liderado pelo deputado Arthur Lira, do PP de Alagoas, que também age como líder informal de Bolsonaro. Lira sonha em presidir a Câmara, mas, ao que sabe, não combinou com os russos, no caso o poderoso comandante da Câmara, Rodrigo Maia. Quando se pensa que Rodrigo perde força, eis que demonstra vigor. Trata-se do mais forte articulador do Congresso Nacional.


Planejamento de campanhas

Este consultor, ancorado em sua vivência, chama a atenção para o planejamento do marketing das campanhas, que abriga estas metas: 1) priorizar questões regionalizadas, localizadas, na esteira de um bairro a bairro, ou seja, fazer a micropolítica; 2) procurar cria um diferencial de imagem, elemento que será a espinha dorsal da candidatura, facilmente captável pelo sistema cognitivo do eleitor; 3) desenvolver uma agenda que seja capaz de proporcionar "onipresença" ao candidato (presença em todos os locais); 4) organizar uma agenda contemplando as áreas de maior densidade e, concentricamente, chegando às áreas de menor densidade eleitoral; 5) entender que eventos menores e multiplicados são mais decisivos que eventos gigantescos e escassos; ante a pandemia, aglomerações e concentrações serão evitadas; 6) atentar para despojamento, simplicidade, agilidade, foco para o essencial, mobilidade, propostas fáceis de compreensão e factíveis. Esse um resumido escopo de planejamento.


Marketing : os 5 eixos

Resgato, aqui, os cinco eixos do marketing eleitoral: pesquisa, formação do discurso (propostas), comunicação (bateria de meios impressos – jornalísticos e publicitários – e eletrônicos (redes sociais), articulação política e social e mobilização (encontros, reuniões... muito cuidado - carreatas, etc.). A mobilização dá vida às campanhas. Energiza os espaços e ambientes. Mas nesse ano, esta área deverá ser reformulada. A articulação com as entidades organizadas e com os candidatos a vereador manterá os exércitos na vanguarda. A comunicação é a moldura da visibilidade. Principalmente em cidades médias e grandes. Sem ideias, programas, projetos, os eleitores rejeitarão a verborragia. E, para mapear as expectativas, anseios e vontade, urge pesquisar o sistema cognitivo do eleitorado.


Ênfases

O planejamento de uma campanha abriga todos os aspectos de uma campanha política, com a inclusão das metas, objetivos, estratégias, táticas, meios e recursos, equipes e estrutura de operação, sistema de marketing, estudo dos adversários etc. O mais importante é o foco sobre os eixos do marketing eleitoral, acima apresentados: a pesquisa, a proposta de discurso (os programas), a comunicação, a articulação e a mobilização. A pesquisa objetiva mapear interesses e expectativas do eleitorado. É vital para estabelecer e/ou ajustar o discurso do candidato. O que e como pensam as classes médias? E as margens como e o que pensam dos candidatos? Sem pesquisa, atira-se no escuro. A pesquisa qualitativa tem a vantagem de descobrir os mapas cognitivos dos eleitores, aquilo que eles estão pensando. É fundamental, na medida em que o mapeamento do sistema de interesses e expectativas do eleitorado deverá ser o centro do discurso. A pesquisa quantitativa, essa será bastante maquiada, servindo apenas para medir intenção de voto, em determinado instante. Na campanha desse ano, o voto decisivo aparecerá apenas no final.

Posts recentes

Ver tudo

Porandubas Políticas 688

Abro a coluna com o querido RN. O sabiá do senador Quando senador pelo Rio Grande do Norte, Agenor Maria (sindicalista rural, falecido em 1997), visitando o município de Grossos, foi interpelado pelo

Porandubas Políticas 687

Mata o bicho, sô Lembrança do monsenhor Aristides Rocha, mineirinho astuto, que fazia política no velho PSD e odiava udenistas. Ainda jovem, monsenhor foi celebrar missa em uma paróquia onde o sacrist

Porandubas Políticas 685

Abro a coluna com Arandu, São Paulo. Emprego pro prural Arandu, em São Paulo, começou sua história como pequeno povoado, no bairro do Barreiro, no município de Avaré. Em 1898, um pedaço de uma fazenda

Cadastre-se para receber as análises por e-mail

© 2023 by Talking Business.  Proudly created with Wix.com