Porandubas Políticas 656

Abro a coluna com o RN, nosso querido Estado.


"Aposentem o homem "

Dinarte Mariz governava o Rio Grande do Norte. Em uma de suas visitas à Caicó, visitou a feira da cidade, acompanhado da sempre presente Dona Nani, secretária de absoluta confiança. Dá de cara com um amigo de infância e logo pergunta:


– "Como vai, Zé Pequeno?"

O amigo, tristonho e cerimonioso, responde:

– "Governador, o negócio não tá fácil; são oito filhos mais a mulher... tá difícil alimentar essa tropa vivendo de biscate. Mas vou levando até Deus permitir".

Dinarte o interrompe de pronto:

– "Zé, que é isso, homem, deixe essa história de governador de lado. Sou seu amigo de infância, sou o Didi"!

Vira-se para Dona Nani e ordena:

– "Anote o nome do Zé Pequeno e o nomeie para o cargo de professor do Estado".

Na segunda-feira, logo no início do expediente, Dona Nani entra na sala de Dinarte e informa:

– "Governador, temos um problema, o Zé Pequeno, seu amigo, é analfabeto; como podemos nomear...".

Antes que concluísse a fala, o governador atalha:

– "Virge Maria, Dona Nani! O Rio Grande do Norte não pode ter um professor analfabeto. Aposente o homem imediatamente".

E assim foi feito!

(Historinha enviada por Lindolfo Sales).


A trama

Nunca se viu uma campanha tão infame contra o Congresso Nacional e, em escala um pouco menor contra o STF, como esta que aparece nas mídias sociais, onde se identifica o dedo claro do bolsonarismo radical. Nessa segunda, um vídeo com um trecho do filme Os Vingadores faz a dublagem com os atores ouvindo de um comparsa a trama, com os "10 mandamentos da maldade", onde o mocinho é o presidente Jair Bolsonaro e o vilão é Rodrigo Maia, apresentado como o golpista que pretende instalar o parlamentarismo no país, e ele mesmo, presidente da Câmara, assumindo o cargo de primeiro-ministro.


A propósito de RM

Aliás, um dos alvos dos petardos palacianos e das hordas radicais, Rodrigo Maia, tem sido o principal artífice do avanço das pautas reformistas no Parlamento. Por isso mesmo, tem recebido tanta pancada do bolsonarismo, que não quer vê-lo como o grande articulador na Câmara dos Deputados, onde exerce liderança junto a todos os grupamentos da Casa. Tornou-se fiador dos avanços desde os tempos do governo Michel Temer. Ganhou respeito dos pares, o que provoca ciúmes e indignação dos extremados da claque bolsonarista.


O que está por trás

O vídeo tem um claro objetivo: dar forças às manifestações de rua, convocadas pelo bolsonarismo para o dia 15 de março, e apelar para que o povo entre na guerra contra o Congresso, que segundo a trama narrada e referendada por um locutor de rádio, de nome Fábio, tem por trás a aprovação de recursos do orçamento impositivo, a derrota de matérias de interesse do governo, e o consequente impeachment do presidente da República. O locutor arremata com a ideia de "destituir" Rodrigo Maia do posto de presidente da Câmara. Uma aberração.


O dedo do palácio

Como tem sido veiculado, é notório o interesse do Palácio do Planalto em adensar a onda contra os Poderes Legislativo e Judiciário. O próprio Bolsonaro tem dado guarida à trama, fazendo circular junto "aos amigos", que o acompanham nas redes sociais, vídeos e convocações para o dia 15. Nos últimos dias, a massa crítica que se formou contra a estratégia bolsonarista arrefeceu os ânimos, mas parcela ponderável da militância radical continuou a alimentar o circuito social.


A extremidade

O fato é que a estratégia dos radicais é de extrema gravidade, eis que apela para que as massas abram guerra contra as instituições de nossa democracia, a partir do Legislativo e do Judiciário, sob o argumento de que o presidente da República carece de condições para governar. De maneira descarada, os radicais intensificam seu discurso, agem como a campanha de 2022 já estivesse nas ruas, formam uma corrente em torno do presidente, execram a representação política e magistrados da Suprema Corte, enfim, parecem querer resgatar os tempos de chumbo.


13 mil?

Comenta-se que o general Luiz Eduardo Ramos, que faz articulação política, tem uma pasta com uma lista de 13 mil cargos do governo de Bolsonaro ocupados por afilhados de políticos dos partidos. E que, portanto, a rixa entre Executivo e Legislativo não é para valer. Com a palavra, o ministro.


O que pode acontecer?

Imaginem, agora, o que pode acontecer se o Congresso vier a desaprovar os vetos, emendas e projetos do Executivo? As ruas tendem a ganhar movimentações barulhentas das galeras que formam as divisões do exército bolsonarista, mas grupos contrários se sentirão motivados a dar o troco. Não se pense que a maré bolsonarista está cheia. Pelo andar da carruagem, os segmentos contrários ao presidente – não ao governo, de forma ampla – formam boa maioria. Juntam-se, nesse caso, parcelas fortes dos blocos centrais aos de oposição. A polarização aumentará.


O efeito coronavírus

Os próximos tempos elevarão as inquietações. E se o coronavírus se expandir pelo território? O pânico terá efeitos sobre a cadeia econômica. E se a economia não apresentar crescimento – mesmo tênue – o foco da contrariedade recairá sobre o Executivo. Ainda bem que o ministro da Saúde, Luiz Mandetta, age com cautela, seriedade e didatismo. Tem se mostrado capacitado a enfrentar o medo que a pandemia provoca. Corre a versão de que o calor dos Trópicos será barreira à propagação acelerada do vírus. Mas, e se o meado do ano, no inverno, for propício à sua expansão? Tempos difíceis. Rememorando: o coronavírus, presente em todos os continentes, já infectou quase 90 mil pessoas, matando 3.046 pessoas. Na Europa, os países relatam aumento constante do número de casos e as autoridades alertam a população para se preparar para grandes surtos.


Impacto na economia

A tensão provocada pelo avanço do coronavírus fez com que o mercado financeiro cortasse mais uma vez a projeção para o crescimento da economia brasileira em 2020. A expectativa é que o Produto Interno Bruto (PIB) avance 2,17% neste ano. Antes, a previsão de crescimento era de 2,2%. É a terceira semana consecutiva que analistas financeiros consultados pelo Banco Central apostam em lentidão maior para a economia.


Brasil preparado

Sônia Racy, do Estadão, perguntou, e o médico Drauzio Varella respondeu:


O Brasil está mesmo preparado para combater o coronavírus?

Está. Acho que o mundo, de um modo geral, está mais preparado. E o SUS tem condições de atender. Só vai depender da quantidade de casos. Agora, a repercussão do coronavírus está em dissintonia com a realidade dos dados. Não há essa calamidade. Todo mundo que espirra vai para o pronto-socorro. Aliás, se você estiver tossindo e correr para o pronto socorro, lá é o melhor lugar pra pegar coronavírus.


O que se sabe de mais novo para enfrentar isso?

Estão tentando desenvolver antivirais que possam reduzir a patogenicidade do vírus. A taxa de mortalidade não é alta. Dados da China mostram que não há mortes de crianças de 10 anos pra baixo. Acima dos 80, o índice de morte é 4,8%. É parecido com índice de infecções respiratórias. E 90% das pessoas que venham a pegar esse vírus, transformarão isso num resfriado comum.


Acordo

Mesmo sob tensão, Poderes Executivo e Legislativo encontram pontos de acordo em torno do chamado orçamento impositivo das emendas parlamentares na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Governo e Congresso sinalizam concordância sobre o controle de cerca de R$ 30,1 bilhões do Orçamento deste ano. Proposta mantém nas mãos do Congresso os R$ 15 bilhões realocados de outras pastas e devolve ao Planalto a execução do restante. O governo encaminhou projeto regulamentando como os recursos previstos para 2020 serão executados. Ideia é que texto feche acordo com Câmara e Senado e os vetos de Bolsonaro sejam mantidos. Lembrando: Bolsonaro barrou o dispositivo que dava prazo de 90 dias para o Executivo liberar emendas ao Orçamento sugeridas pelos parlamentares. (Até o fechamento da coluna, nada se votou).


A competência de Guedes

Em meio às conversações sobre o veto ao Orçamento impositivo, o presidente Bolsonaro suspendeu "por tempo indeterminado" os poderes do ministro da Economia, Paulo Guedes, de abrir créditos orçamentários e remanejar gastos entre as áreas do Orçamento de 2020. O despacho foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) de ontem. Mas a explicação não demorou: sem segurança jurídica sobre o que pode e não pode na gestão do Orçamento impositivo, o governo foi obrigado a retirar, por prazo indeterminado, a competência delegada ao ministro da Economia. Portanto, a coisa estava combinada com Guedes.


Linha Moro

Diretor da Força Nacional, o coronel da PM-CE, Antônio Aginaldo de Oliveira chamou os policiais militares amotinados no Ceará de "gigantes" e "corajosos" pelo movimento salarial e melhores condições de trabalho. A Constituição Federal proíbe greve desses profissionais. Esse coronel da PM no Ceará se casou no mês passado com a deputada Federal Carla Zambelli (PSL-SP), uma das parlamentares mais próximas ao presidente Jair Bolsonaro. O ministro da Justiça Sergio Moro foi um dos convidados da cerimônia. A linha Moro em plena ação. Mas, e a Constituição?


Proteína extraterrestre?

Pelo ineditismo, faço o registro. Usando nova técnica de análise, cientistas afirmam ter encontrado pela primeira vez na história uma proteína de origem extraterrestre. O material analisado pertencia a um meteorito que atingiu a Terra há cerca de 30 anos. Segundo um artigo publicado no site de coletas de pesquisas científicas ArXiv, a Hemolithin é uma proteína que contém ferro e lítio. O texto também afirma que o agrupamento das moléculas do meteorito é capaz de absorver fótons e dividir água em porções de hidroxila e hidrogênio.

Fechando com um pouco de humor.


De cócoras

Plínio Gomes Barbosa era juiz de Direito em Monte Aprazível, São Paulo. Chegou um promotor novo: Edgar Magalhães Noronha. Na primeira audiência, o promotor estava todo cerimonioso:

– Doutor juiz, devo requerer de pé ou sentado?– O senhor se formou há pouco? Onde?– Minha escola o MEC fechou.– Então requeira de cócoras.


Eu me retiro

Numa Vara da Fazenda, no interior de São Paulo, o perito era coronel do Exército e o juiz, Plínio Gomes Barbosa, não sabia. Houve discussão, o coronel começou a gritar, o juiz bateu a mão na mesa:

– Se o senhor continuar nesse tom, ponho-o daqui para fora.– Não saio, não. Sou coronel do Exército.– Então quem se retira sou eu, que sou reservista da 3ª categoria.

E deixou o coronel sozinho.

Posts recentes

Ver tudo

Porandubas Políticas 686

Mata o bicho, sô Lembrança do monsenhor Aristides Rocha, mineirinho astuto, que fazia política no velho PSD e odiava udenistas. Ainda jovem, monsenhor foi celebrar missa em uma paróquia onde o sacrist

Porandubas Políticas 685

Abro a coluna com Arandu, São Paulo. Emprego pro prural Arandu, em São Paulo, começou sua história como pequeno povoado, no bairro do Barreiro, no município de Avaré. Em 1898, um pedaço de uma fazenda

Porandubas Políticas 684

Abro a coluna com o contador de boas histórias e escritor Leonardo Mota. I.N.R.I. - Iesus Nazarenus Rex Iudaeorum Conta Leonardo Mota que o mestre Henrique era reputado marceneiro nos sertões de Sergi

Cadastre-se para receber as análises por e-mail

© 2023 by Talking Business.  Proudly created with Wix.com