Porandubas Políticas 656

Abro a coluna com o RN, nosso querido Estado.


"Aposentem o homem "

Dinarte Mariz governava o Rio Grande do Norte. Em uma de suas visitas à Caicó, visitou a feira da cidade, acompanhado da sempre presente Dona Nani, secretária de absoluta confiança. Dá de cara com um amigo de infância e logo pergunta:


– "Como vai, Zé Pequeno?"

O amigo, tristonho e cerimonioso, responde:

– "Governador, o negócio não tá fácil; são oito filhos mais a mulher... tá difícil alimentar essa tropa vivendo de biscate. Mas vou levando até Deus permitir".

Dinarte o interrompe de pronto:

– "Zé, que é isso, homem, deixe essa história de governador de lado. Sou seu amigo de infância, sou o Didi"!

Vira-se para Dona Nani e ordena:

– "Anote o nome do Zé Pequeno e o nomeie para o cargo de professor do Estado".

Na segunda-feira, logo no início do expediente, Dona Nani entra na sala de Dinarte e informa:

– "Governador, temos um problema, o Zé Pequeno, seu amigo, é analfabeto; como podemos nomear...".

Antes que concluísse a fala, o governador atalha:

– "Virge Maria, Dona Nani! O Rio Grande do Norte não pode ter um professor analfabeto. Aposente o homem imediatamente".

E assim foi feito!

(Historinha enviada por Lindolfo Sales).


A trama

Nunca se viu uma campanha tão infame contra o Congresso Nacional e, em escala um pouco menor contra o STF, como esta que aparece nas mídias sociais, onde se identifica o dedo claro do bolsonarismo radical. Nessa segunda, um vídeo com um trecho do filme Os Vingadores faz a dublagem com os atores ouvindo de um comparsa a trama, com os "10 mandamentos da maldade", onde o mocinho é o presidente Jair Bolsonaro e o vilão é Rodrigo Maia, apresentado como o golpista que pretende instalar o parlamentarismo no país, e ele mesmo, presidente da Câmara, assumindo o cargo de primeiro-ministro.


A propósito de RM

Aliás, um dos alvos dos petardos palacianos e das hordas radicais, Rodrigo Maia, tem sido o principal artífice do avanço das pautas reformistas no Parlamento. Por isso mesmo, tem recebido tanta pancada do bolsonarismo, que não quer vê-lo como o grande articulador na Câmara dos Deputados, onde exerce liderança junto a todos os grupamentos da Casa. Tornou-se fiador dos avanços desde os tempos do governo Michel Temer. Ganhou respeito dos pares, o que provoca ciúmes e indignação dos extremados da claque bolsonarista.


O que está por trás

O vídeo tem um claro objetivo: dar forças às manifestações de rua, convocadas pelo bolsonarismo para o dia 15 de março, e apelar para que o povo entre na guerra contra o Congresso, que segundo a trama narrada e referendada por um locutor de rádio, de nome Fábio, tem por trás a aprovação de recursos do orçamento impositivo, a derrota de matérias de interesse do governo, e o consequente impeachment do presidente da República. O locutor arremata com a ideia de "destituir" Rodrigo Maia do posto de presidente da Câmara. Uma aberração.


O dedo do palácio

Como tem sido veiculado, é notório o interesse do Palácio do Planalto em adensar a onda contra os Poderes Legislativo e Judiciário. O próprio Bolsonaro tem dado guarida à trama, fazendo circular junto "aos amigos", que o acompanham nas redes sociais, vídeos e convocações para o dia 15. Nos últimos dias, a massa crítica que se formou contra a estratégia bolsonarista arrefeceu os ânimos, mas parcela ponderável da militância radical continuou a alimentar o circuito social.


A extremidade

O fato é que a estratégia dos radicais é de extrema gravidade, eis que apela para que as massas abram guerra contra as instituições de nossa democracia, a partir do Legislativo e do Judiciário, sob o argumento de que o presidente da República carece de condições para governar. De maneira descarada, os radicais intensificam seu discurso, agem como a campanha de 2022 já estivesse nas ruas, formam uma corrente em torno do presidente, execram a representação política e magistrados da Suprema Corte, enfim, parecem querer resgatar os tempos de chumbo.


13 mil?

Comenta-se que o general Luiz Eduardo Ramos, que faz articulação política, tem uma pasta com uma lista de 13 mil cargos do governo de Bolsonaro ocupados por afilhados de políticos dos partidos. E que, portanto, a rixa entre Executivo e Legislativo não é para valer. Com a palavra, o ministro.


O que pode acontecer?

Imaginem, agora, o que pode acontecer se o Congresso vier a desaprovar os vetos, emendas e projetos do Executivo? As ruas tendem a ganhar movimentações barulhentas das galeras que formam as divisões do exército bolsonarista, mas grupos contrários se sentirão motivados a dar o troco. Não se pense que a maré bolsonarista está cheia. Pelo andar da carruagem, os segmentos contrários ao presidente – não ao governo, de forma ampla – formam boa maioria. Juntam-se, nesse caso, parcelas fortes dos blocos centrais aos de oposição. A polarização aumentará.


O efeito coronavírus

Os próximos tempos elevarão as inquietações. E se o coronavírus se expandir pelo território? O pânico terá efeitos sobre a cadeia econômica. E se a economia não apresentar crescimento – mesmo tênue – o foco da contrariedade recairá sobre o Executivo. Ainda bem que o ministro da Saúde, Luiz Mandetta, age com cautela, seriedade e didatismo. Tem se mostrado capacitado a enfrentar o medo que a pandemia provoca. Corre a versão de que o calor dos Trópicos será barreira à propagação acelerada do vírus. Mas, e se o meado do ano, no inverno, for propício à sua expansão? Tempos difíceis. Rememorando: o coronavírus, presente em todos os continentes, já infectou quase 90 mil pessoas, matando 3.046 pessoas. Na Europa, os países relatam aumento constante do número de casos e as autoridades alertam a população para se preparar para grandes surtos.


Impacto na economia

A tensão provocada pelo avanço do coronavírus fez com que o mercado financeiro cortasse mais uma vez a projeção para o crescimento da economia brasileira em 2020. A expectativa é que o Produto Interno Bruto (PIB) avance 2,17% neste ano. Antes, a previsão de crescimento era de 2,2%. É a terceira semana consecutiva que analistas financeiros consultados pelo Banco Central apostam em lentidão maior para a economia.


Brasil preparado

Sônia Racy, do Estadão, perguntou, e o médico Drauzio Varella respondeu:


O Brasil está mesmo preparado para combater o coronavírus?

Está. Acho que o mundo, de um modo geral, está mais preparado. E o SUS tem condições de atender. Só vai depender da quantidade de casos. Agora, a repercussão do coronavírus está em dissintonia com a realidade dos dados. Não há essa calamidade. Todo mundo que espirra vai para o pronto-socorro. Aliás, se você estiver tossindo e correr para o pronto socorro, lá é o melhor lugar pra pegar coronavírus.


O que se sabe de mais novo para enfrentar isso?

Estão tentando desenvolver antivirais que possam reduzir a patogenicidade do vírus. A taxa de mortalidade não é alta. Dados da China mostram que não há mortes de crianças de 10 anos pra baixo. Acima dos 80, o índice de morte é 4,8%. É parecido com índice de infecções respiratórias. E 90% das pessoas que venham a pegar esse vírus, transformarão isso num resfriado comum.


Acordo

Mesmo sob tensão, Poderes Executivo e Legislativo encontram pontos de acordo em torno do chamado orçamento impositivo das emendas parlamentares na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Governo e Congresso sinalizam concordância sobre o controle de cerca de R$ 30,1 bilhões do Orçamento deste ano. Proposta mantém nas mãos do Congresso os R$ 15 bilhões realocados de outras pastas e devolve ao Planalto a execução do restante. O governo encaminhou projeto regulamentando como os recursos previstos para 2020 serão executados. Ideia é que texto feche acordo com Câmara e Senado e os vetos de Bolsonaro sejam mantidos. Lembrando: Bolsonaro barrou o dispositivo que dava prazo de 90 dias para o Executivo liberar emendas ao Orçamento sugeridas pelos parlamentares. (Até o fechamento da coluna, nada se votou).


A competência de Guedes

Em meio às conversações sobre o veto ao Orçamento impositivo, o presidente Bolsonaro suspendeu "por tempo indeterminado" os poderes do ministro da Economia, Paulo Guedes, de abrir créditos orçamentários e remanejar gastos entre as áreas do Orçamento de 2020. O despacho foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) de ontem. Mas a explicação não demorou: sem segurança jurídica sobre o que pode e não pode na gestão do Orçamento impositivo, o governo foi obrigado a retirar, por prazo indeterminado, a competência delegada ao ministro da Economia. Portanto, a coisa estava combinada com Guedes.


Linha Moro

Diretor da Força Nacional, o coronel da PM-CE, Antônio Aginaldo de Oliveira chamou os policiais militares amotinados no Ceará de "gigantes" e "corajosos" pelo movimento salarial e melhores condições de trabalho. A Constituição Federal proíbe greve desses profissionais. Esse coronel da PM no Ceará se casou no mês passado com a deputada Federal Carla Zambelli (PSL-SP), uma das parlamentares mais próximas ao presidente Jair Bolsonaro. O ministro da Justiça Sergio Moro foi um dos convidados da cerimônia. A linha Moro em plena ação. Mas, e a Constituição?


Proteína extraterrestre?

Pelo ineditismo, faço o registro. Usando nova técnica de análise, cientistas afirmam ter encontrado pela primeira vez na história uma proteína de origem extraterrestre. O material analisado pertencia a um meteorito que atingiu a Terra há cerca de 30 anos. Segundo um artigo publicado no site de coletas de pesquisas científicas ArXiv, a Hemolithin é uma proteína que contém ferro e lítio. O texto também afirma que o agrupamento das moléculas do meteorito é capaz de absorver fótons e dividir água em porções de hidroxila e hidrogênio.

Fechando com um pouco de humor.


De cócoras

Plínio Gomes Barbosa era juiz de Direito em Monte Aprazível, São Paulo. Chegou um promotor novo: Edgar Magalhães Noronha. Na primeira audiência, o promotor estava todo cerimonioso:

– Doutor juiz, devo requerer de pé ou sentado?– O senhor se formou há pouco? Onde?– Minha escola o MEC fechou.– Então requeira de cócoras.


Eu me retiro

Numa Vara da Fazenda, no interior de São Paulo, o perito era coronel do Exército e o juiz, Plínio Gomes Barbosa, não sabia. Houve discussão, o coronel começou a gritar, o juiz bateu a mão na mesa:

– Se o senhor continuar nesse tom, ponho-o daqui para fora.– Não saio, não. Sou coronel do Exército.– Então quem se retira sou eu, que sou reservista da 3ª categoria.

E deixou o coronel sozinho.

Cadastre-se para receber as análises por e-mail

© 2023 by Talking Business.  Proudly created with Wix.com