Pezão, governador do Rio, está preso por corrupção


O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, foi preso na manhã desta quinta-feira no Palácio Laranjeiras acusado de corrupção e lavagem de dinheiro. Mais oito pessoas também estão presas na operação batizada de Boca de Lobo, segundo informações do G1.


A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que havia "infrações criminosas muito graves" ocorrendo no Rio de Janeiro ao justificar a prisão. Segundo o Ministério Público Federal, há registros documentais do pagamento em espécie a Pezão de mais de R$ 39 milhões no período de 2007 a 2015.


Dodge explicou que, embora as investigações sejam realizadas há algum tempo, as prisões foram necessárias porque crimes como o de organização criminosa e lavagem de dinheiro ainda estão em curso:


"Um dos crimes em curso é o de organização criminosa, continua atuando e especialmente à lavagem de dinheiro. A lavagem é o crime que se pratica após a corrupção e que consiste em ocultar onde o dinheiro está. Pelas informações, continua a ser feito".


A procuradora-geral disse também que o crime de lavagem de dinheiro é "igualmente grave" porque, "se o dinheiro desviado pela corrupção continua na posse de quem desviou, o patrimônio público terá dificuldade em ser recomposto".


Dodge ressaltou que o esquema criminoso que atua no Rio de Janeiro se instalou em diversas unidades públicas do Estado: “Muitos já estão condenados e presos, mas percebeu-se que este esquema criminoso ainda não cessou. E é por essa razão, os infratores ainda praticarem esse crime, que se chegou à necessidade de requerer prisão preventiva para a garantida da ordem pública".

Posts recentes

Ver tudo

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que