Petrobrás vende na Bolsa controle da BR Distribuidora


A BR Distribuidora não é mais controlada pela petroleira brasileira Petrobrás. A estatal brasileira concluiu ontem a oferta de vendas de ações da companhia (operação conhecida como folow on), em uma operação avaliada em cerca de R$ 9,6 bilhões no mercado, informa O Estado de S. Paulo.


A fatia da companhia cairá de 70,3% para cerca de 37,5%. Líder em distribuição de combustíveis no País, a BR planejava desde o início do ano fazer uma oferta de novas ações no mercado, como antecipou o jornal em abril. A transação foi conduzida pelos bancos JP Morgan, Bofa (Bank of America Merril Lynch), Credit Suisse, Citi, Itaú BBA e Santander.


Desde dezembro de 2017, a BR Distribuidora deixou de ser uma estatal puro sangue ao listar suas ações na B3, bolsa paulista. Foi quando a companhia protagonizou a maior operação de mercado ao levantar R$ 5 bilhões na abertura de capital (IPO, na sigla em inglês). A operação foi considerada o maior IPO desde 2013, quando o BB Seguridade captou R$ 11 bilhões.


Com a operação a Petrobrás acelera ainda mais os planos de desinvestimentos. A companhia levantou recentemente US$ 8,5 bilhoes com a venda da TAG e pretende levantar mais de US$ 10 bilhões com a venda de oito refinarias.

A empresa também deverá vender suas distribuidoras de gás canalizado, processo que já está em andamento - empresas ouvidas pelo Estado estão esperando a petroleira formalizar a oferta.

Posts recentes

Ver tudo

Centrão na Casa Civil, Onyx vai para o Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério, informa O Estado de S. Paulo. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civ

Mendonça para o STF, 'terrivelmente evangélico'

O presidente Jair Bolsonaro indicou formalmente o chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), André Mendonça, para assumir a vaga deixada por Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). A indi