Para governador, presos podem delatar mandante


Presos nesta terça-feira na Operação Lume, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, denunciados pela morte de Marielle Franco e Anderson Gomes, serão convidados a fazer delação premiada, afirmou o governador do Rio, Wilson Witzel. Ao lado da cúpula da segurança, ele detalhou a ação em coletiva no fim da manhã e afirmou que o "Estado trouxe respostas à população", informa o portal G1.


"É uma resposta importante que nós estamos dando para a sociedade: a elucidação de um crime bárbaro cometido contra uma parlamentar, uma mulher, no exercício de sua atividade democrática. Teve sua vida ceifada de forma inaceitável. Mas muito mais ainda inaceitável porque estava exercendo seu mandato”.


Segundo a polícia, Lessa foi o autor dos disparos que atingiram Marielle e Anderson; Élcio dirigiu o Cobalt clonado utilizado no assassinato. Os investigadores agora tentam esclarecer quem foi o mandante e qual a motivação do crime.


Chefe da Divisão de Homicídios da Capital, Giniton Lages justificou o tempo de um ano para se chegar aos dois envolvidos: “Esse é um dia muito especial porque é um ano de investigação, um ano de comprometimento desses policiais. É preciso que a imprensa entenda que o sigilo em algumas informações é imprescindível. Jamais um profissional pode fazer uma perícia ou encontrar um dado e revelar isso".

Posts recentes

Ver tudo

Bolsonaro na ONU, monte de mentiras e exageros

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Pacheco devolve MP que liberava as fake news

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Fux: ameaça de Bolsonaro é atentado à democracia

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que