Os candidatos já registrados no TSE

Seis candidatos a presidente registraram suas candidaturas (e seus bens) no Tribunal Superior Eleitoras (TSE) nesta segunda-feira. O prazo de registro termina na quarta e a campanha eleitoral começa na quinta. Horário eleitoral gratuito a partir do dia 31, uma sexta-feira. Nas convenções partidárias, 14 nomes foram confirmados, mas Manuela D’Ávila (PCdoB) vai desistir para apoiar o PT ou virar vice de Fernando Haddad.

O TSE tem até 17 de setembro para uma análise inicial dos registros. Mas ainda será possível analisar recursos depois desse prazo. De qualquer decisão, cabe recurso ao Supremo Tribunal Federal.


Os já registrados:


João Amoêdo (Novo)

Ocupação declarada: engenheiro; bens declarados: R$ 425.066.485,46

Vice: Professor Christian (Novo); ocupação declarada: cientista político; bens declarados: R$ 4.125.322,33


CABO DACIOLO (Patriota)


Ocupação declarada: deputado; bens declarados: nenhum

Vice: Professora Suelene Balduino (Patriota); ocupação declarada: professora de ensino fundamental; bens declarados: R$ 201.855,75


CIRO GOMES (PDT)


Ocupação declarada: advogado; bens declarados: R$ 1.695.203,15

Vice: Kátia Abreu (PDT); ocupação declarada: senadora; bens declarados: R$ 2.690.466,21


GERALDO ALCKMIN (PSDB)


Ocupação declarada: médico; bens declarados: R$ 1.379.131,70

Vice: Ana Amélia Lemos (PP); Ocupação declarada: senadora; bens declarados: R$ 5.125.983,92


GUILHERME BOULOS (PSOL)


Ocupação declarada: historiador; bens declarados: R$ 15.416,00

Vice: Sonia Guajajara (PSOL); ocupação declarada: professora de ensino médio; bens declarados: R$ 11.000,00


VERA LÚCIA (PSTU)


Ocupação declarada: outros; bens declarados: R$ 20.000,00

Vice: Hertz (PSTU); ocupação declarada: professor de ensino médio; bens declarados: R$ 100.000,00


Posts recentes

Ver tudo

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que