O enigma Bolsonaro


Como se explica o enigma Bolsonaro? Lidera as pesquisas, principalmente sem Lula como candidato, mas o PR e o PRP recusaram parceria com o seu partido, que esperava o apoio de pelo menos 100 deputados. Não deram as caras. Qual a razão do isolamento? A menos de três meses do pleito, era de esperar que uma enxurrada de adesões transferisse ao pré-candidato a condição de favorito inquestionável. Pois bem, inquestionável já não é.


Expliquemos. A começar pela paisagem social, onde sementes se espalham fazendo brotar nos roçados centrais e nos terrenos periféricos uma floresta de ressentimentos contra os protagonistas da política. Por sua verve contra petistas e uma linguagem centrada em posições conservadoras, o deputado Jair tornou-se inimigo número um das esquerdas, a começar por Lula. Assim construiu o seu “muro”, numa metáfora da construção que Donald Trump prometeu ao seu eleitorado, focado no combate à migração.


Trump ganhou o sistema cognitivo de conservadores e nacionalistas. O “muro” de Bolsonaro é a defesa da sociedade contra a bandidagem e a promessa de combater “esquerdistas”, principalmente aqueles que usam o verbo para lembrar a era da opressão aberta pelo golpe de 1964. Ele expressa as ideias do nacionalismo à moda antiga, amparada na burocracia militar-desenvolvimentista. Também é acusado de “autoritário, truculento, racista e homofóbico”.


Defendeu o fuzilamento de Fernando Henrique pelas privatizações, o que mostra a propensão para frases de efeito, porém aceitas por seus eleitores: “bandido bom é bandido morto”, “a polícia deveria matar mais”, entre outras. Promete, caso ganhe, inserir muitos militares na administração, porque são “incorruptíveis e moralmente superiores aos políticos”.


Convém pontuar sobre esse discurso. Se as massas o aplaudem, entendendo que um militar seria mais adequado para manter a ordem e a segurança, o meio político teme por seu futuro, enxergando em Bolsonaro o dirigente que o tolheria no governo, restringindo o balcão de trocas e a interlocução entre Executivo e Legislativo.


Além da sombra de Bolsonaro, há dúvidas sobre seu desempenho até a reta final. Seria possível a algum candidato, mesmo populista, suportar o massacre de adversários que na campanha terão grande tempo de TV e rádio? Sem coligação, o capitão disporá de míseros 7 segundos. Recorrerá às redes sociais como artilharia. Ora, redes não elegem ninguém, mobilizam a militância. Essa dúvida persiste no meio político, razão pela qual Jair Messias Bolsonaro continua isolado. Partidos receiam assumir compromisso com tantas interrogações.


O enigma Bolsonaro resistirá até a campanha pegar fogo. Caso atravesse a fogueira sem se queimar, é razoável pensar em milagre. A Bíblia não diz que o Messias andou sobre as águas na direção de seus apóstolos? Jair Bolsonaro tem um Messias de sobrenome.


Posts recentes

Ver tudo

Um novo Iluminismo

A humanidade vive às margens de um dilema: resgatar os paradigmas da ciência, da razão, do humanismo ou derrubar os ideais do Iluminismo, dando impulso aos tribalistas, com sua visão retrógrada, postu

O desmonte da ciência

É crise puxando crise. Mais uma se desenvolve, ameaçando jogar a ciência brasileira ou, em outros termos, seus entulhos, no fundo do poço. As instituições de ensino superior e técnico estão recebendo

Abusos e insanidades

A história da Humanidade é recheada de coisas e perfis extravagantes. O imperador Calígula nomeou senador seu cavalo de estimação. Diz-se que o sultão otomano Ibrahim I praticava arco e flecha nos ser