Levy aceita presidência do BNDES. Bolsonaro endossa

O ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy aceitou o convite da equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e será indicado para presidir o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), informa o Valor Econômico. Ele deixará a diretoria financeira do Banco Mundial.


Sobre o passado de Levy, que trabalhou com a ex-presidente Dilma Roussef (PT) e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), o presidente eleito Jair Bolsonaro comentou: "Ele teve um passado com a Dilma, sim, esteve no governo dez meses, esteve com o Cabral, mas nada tem contra a sua conduta profissional, assim sendo eu endosso o Paulo Guedes. Esse é o ponto pacificado".


Bolsonaro reafirmou que a caixa-preta do BNDES precisa ser conhecida: "Até eu desconheço muita coisa no BNDES. São números que nós temos de tornar públicos. Há reclamação por parte da população. Posso dizer até que não é uma caixa-preta. Está faltando transparência. Isso todos os funcionários querem. Os empréstimos aos outros países, qual é a garantia, se foi o Tesouro, se não foi, a quantidade. Queremos colocar na mesa, para todos vocês da imprensa, todas as transações feitas pelo BNDES, porque afinal de contas o dinheiro é público".

Posts recentes

Ver tudo

Bolsonaro na ONU, monte de mentiras e exageros

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Pacheco devolve MP que liberava as fake news

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Fux: ameaça de Bolsonaro é atentado à democracia

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que