Levy aceita presidência do BNDES. Bolsonaro endossa

O ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy aceitou o convite da equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e será indicado para presidir o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), informa o Valor Econômico. Ele deixará a diretoria financeira do Banco Mundial.


Sobre o passado de Levy, que trabalhou com a ex-presidente Dilma Roussef (PT) e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), o presidente eleito Jair Bolsonaro comentou: "Ele teve um passado com a Dilma, sim, esteve no governo dez meses, esteve com o Cabral, mas nada tem contra a sua conduta profissional, assim sendo eu endosso o Paulo Guedes. Esse é o ponto pacificado".


Bolsonaro reafirmou que a caixa-preta do BNDES precisa ser conhecida: "Até eu desconheço muita coisa no BNDES. São números que nós temos de tornar públicos. Há reclamação por parte da população. Posso dizer até que não é uma caixa-preta. Está faltando transparência. Isso todos os funcionários querem. Os empréstimos aos outros países, qual é a garantia, se foi o Tesouro, se não foi, a quantidade. Queremos colocar na mesa, para todos vocês da imprensa, todas as transações feitas pelo BNDES, porque afinal de contas o dinheiro é público".

Posts recentes

Ver tudo

Fake news como prova contra urna eletrônica

As provas de fraude nas urnas eletrônicas que o presidente Jair Bolsonaro prometeu apresentar nesta quinta-feira, 29, foram uma mistura de fake news, vídeos descontextualizados que circulam há anos na

Centrão na Casa Civil, Onyx vai para o Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério, informa O Estado de S. Paulo. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civ