top of page

Insistência de Lula, um suicídio político

O Partido dos Trabalhadores só tem a perder com a decisão de Lula em insistir na sua candidatura, apesar de estar inelegível por decisão do TSE – Tribunal Superior Eleitoral. Adiar ainda mais o prazo para efetivar Fernando Haddad como candidato do partido significa suicídio político, sustenta o jornalista Raymundo Costa em sua coluna de hoje no Valor Econômico. “Esperar até o dia 11, prazo estipulado pelo TSE, para substituir Lula por Haddad, deixaria o candidato com apenas três semanas de campanha. Se já parecia difícil, ficaria pior. O PT está naquela situação: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”.


Em reunião ontem na cadeia de Curitiba com Haddad e advogados, Lula insistiu nos recursos ao Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal, além do Comitê de Direitos Humanos da ONU. E isso só adia a decisão.


Para o jornalista, quem mais tira votos do PT é Marina Silva, pelas pesquisas. A candidata da Rede subiu de 8% para 16% na disputa sem Lula.


Mas o deputado Jair Bolsonaro é o cara a ser batido nas eleições presidenciais, “a menos que sofra uma violenta queda nas intenções de voto”. Isso ocorreu em 2014, quando Marina ocupava o segundo lugar nas pesquisas atrás de Dilma Roussef. Mas em menos de 48 horas perdeu o posto para Aécio Neves, que foi para o segundo turno.


Posts recentes

Ver tudo

Bolsonaro na ONU, monte de mentiras e exageros

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Pacheco devolve MP que liberava as fake news

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Fux: ameaça de Bolsonaro é atentado à democracia

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que

Commenti


I commenti sono stati disattivati.
bottom of page