top of page

Governando com a real politik

Atualizado: 2 de mai. de 2018

Por Gaudêncio Torquato


Pergunta recorrente: se Joaquim Barbosa (PSB), Marina Silva (Rede) ou mesmo Ciro Gomes (PDT) viessem a sentar na cadeira presidencial, teriam condições de governar? A dúvida leva em consideração a índole de cada um.


Joaquim é considerado um perfil destemperado, com a ética de juiz pairando sobre o balcão de negócios da política. Marina, com sua aparência de freira (imagem aqui posta de maneira positiva), transmite a impressão de que está mais afinada com as coisas divinas do que com o inferno da política. Ciro, com sua verve beligerante, demonstra ser um ente seletivo, rejeitando parlamentares e partidos envolvidos na Lava Jato.


Essas projeções levantam a hipótese de que teriam muitas dificuldades de romper o cordão vigente no Congresso, produzido pelo fisiologismo. A real politik ali praticada retrata a representação política, o “presidencialismo franciscano”, pelo qual o mandatário-mor só consegue governar caso ceda nacos da estrutura administrativa aos partidos e seus caciques. É dando que se recebe.


Sem esse troca-troca, governantes enfrentarão obstáculos, não sendo improvável nem a lâmina de um impeachment. Fernando Collor, sem articulação no Congresso, e Dilma Rousseff, com sua ojeriza às pressões, tiveram seus ciclos amputados.


Em outras palavras, não se governa o Brasil sem a participação dos políticos, sinalizando que o governante deve desenvolver habilidades para formar maiorias congressuais. Sem isso, qualquer governo tende a fracassar, pois as políticas públicas embutidas em projetos de lei não passarão.


O leque de questões mostra a governabilidade condicionada à sustentação política. Se o governante se rebelar, o que poderá fazer? Submeter-se ao troco dos congressistas, gerando tensões entre os Poderes; renunciar ao cargo por indisposição de fazer política segundo nossa cultura; procurar apoio popular e pressionar o Congresso. Ou, com apoio militar, dar um golpe, fechar o Congresso e ressuscitar a ditadura. Ora, essas são opções inexequíveis ou incompatíveis com o estágio civilizatório do país.


Alternativa que soa como bom senso é a de adaptação do governante à música tocada pela política. O que exigirá flexibilidade para dançar samba ou valsa, a depender das circunstâncias. Sem humildade para entrar nesse jogo, Joaquim, Marina ou Ciro, caso cheguem lá, se transformarão em pavio de uma bomba a explodir em seu colo. Ou poderão usar a força do governante para estabelecer acertos e ajustes. Por exemplo: em vez de indicar caciques para cargos centrais da estrutura, acertariam com a indicação de perfis técnicos na tentativa de implantar a meritocracia.


Uma reforma política profunda levaria a um número razoável de partidos – 7, 8 ou 9. Assim teríamos os meios para uma administração compartilhada, criteriosa e justa. Os governos receberiam menor carga de pressão e em boas condições de governabilidade.

Posts recentes

Ver tudo

A batalha do ódio e da mentira

O Brasil está alastrando os seus campos de batalha. Alguns, por obra de mentiras e ficção. Por exemplo: milhares de pessoas, de aglomerações já passadas, são apresentadas em vídeos de eventos que ocor

O reino da mentira

Há 44 anos, o jurista Goffredo da Silva Telles Jr., falecido no dia 27 de junho de 2009, dando vazão ao sentimento da sociedade brasileira, foi convidado para ler a Carta aos Brasileiros69. O País abr

O senhor imponderável e suas surpresas

Por mais que o balão emotivo tente elevar às nuvens a taxa de polarização que a política costuma estabelecer, principalmente em momentos de intensa divisão dos grupos que seguram o cabo de guerra, o b

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page