Ex-presidente do Peru comete suicídio para fugir de prisão


O ex-presidente do Peru, Alan García cometeu suicídio com um tiro na cabeça, na manhã desta quarta-feira, 17, após policiais chegaram em sua residência, na capital do país, para prendê-lo por conexões com uma investigação sobre suborno no caso relacionado à construtora brasileira Odebrecht, informou O Estado de S. Paulo. Ele chegou a ser levado para um hospital onde passou por cirurgia, mas não resistiu e morreu.


García, de 69 anos, governou o país de 1985 a 1990 e ganhou um novo mandato de 5 anos em 2006. Em 2018 ele pediu asilo político no Uruguai, mas o país rejeitou a tese de perseguição política.


De acordo com a ordem de prisão, obtida pela agência Associated Press, a autorização para prender García foi emitida sob argumento de que o ex-presidente teria recebido US$ 100 mil da Odebrecht pagos como o cachê de uma conferência em São Paulo, feita em 2012.


A Odebrecht está no centro do maior escândalo de corrupção na América Latina depois de ter admitido, em acordo assinado em 2016 com o Departamento de Justiça dos EUA, ter pago mais de US$ 800 milhões em propinas em diversos países da região para ser beneficiada em grandes obras de infraestrutura.


No Peru, a empresa disse que pagou US$ 29 milhões entre 2005 e 2014. O caso atingiu também os ex-presidentes peruanos Alejandro Toledo (2001-2006), Ollanta Humala (2011-2016) e Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), todos sob investigação da promotoria.


Na semana passada, a Justiça peruana ordenou a detenção por dez dias de Kuczynski no âmbito de uma investigação por suposto crime de lavagem de dinheiro no caso Odebrecht.

Posts recentes

Ver tudo

Fake news como prova contra urna eletrônica

As provas de fraude nas urnas eletrônicas que o presidente Jair Bolsonaro prometeu apresentar nesta quinta-feira, 29, foram uma mistura de fake news, vídeos descontextualizados que circulam há anos na

Centrão na Casa Civil, Onyx vai para o Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério, informa O Estado de S. Paulo. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civ