Bolsonaro na eleição suspeita


O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, coloca sob suspeita o processo eleitoral de outubro. "As eleições, de qualquer forma, estão sob suspeição", disse ele durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, pois entende que o sistema eletrônico de votação é passível de fraudes. Porém, respondeu assim ao ser perguntado sobre a razão de ser candidato numa eleição suspeita: “Qual outro caminho eu tenho, entregar para o PT ou para o PSDB? Eu vou estar na luta de qualquer maneira. Todos nós desconfiamos."


1964? NÃO FOI UM GOLPE


“Não houve golpe militar em 1964. Quem declarou vago o cargo do presidente na época foi o Parlamento. Era a regra em vigor”. Bolsonaro justificou também todos os atos cometidos pelos militares como “clima da época, de guerra fria”. Por isso, afirmou, agiria da mesma forma se estivesse no lugar deles.


UM RECORDE CONVOCADO


A convocação para a entrevista de Bolsonaro no Roda Viva de ontem à noite já estava nas redes sociais do candidato e seus aliados desde a semana passada. O objetivo declarado era o de bater o recorde de audiência. E conseguiu: foi a maior audiência entre todos os candidatos entrevistados na tevê tradicional, segundo dados prévios do Ibope. No canal da emissora no YouTube, foi acompanhado por com 228 mil pessoas, recorde absoluto na história do Roda Viva.

Posts recentes

Ver tudo

Bolsonaro na ONU, monte de mentiras e exageros

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Pacheco devolve MP que liberava as fake news

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Fux: ameaça de Bolsonaro é atentado à democracia

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que