Bolsonaro não vai ao debate da Band


O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, ainda está se recuperando da facada que levou em Juiz de Fora, não está liberado para fazer campanha e, por isso, não deve participar do debate com seu oponente Fernando Haddad esta semana na TV Band. A avaliação é dos médicos do hospital Albert Einstein, que o visitaram em sua casa hoje pela manhã na Barra da Tijuca, no Rio. A cirurgia completa hoje 34 dias:


-- Ele perdeu 15 quilos de massa muscular e ainda está fraco, precisa de uma dieta de recuperação proteica, disse o cirurgião Antônio Luiz Bonsucesso Macedo.


Na próxima quinta-feira, dia 18, Bolsonaro deve ir ao hospital e provavelmente será liberado para campanha e debates.


Os médicos explicaram que ele não tem mais inclusão de ferro na veia, como estava sendo feito, não tem mais antibiótico, não está mais com home care do Einstein o tempo todo. Mas precisa de uma intensa reposição nutricional e fisioterapia.


Ainda segundo os médicos, apesar de ter evoluído bem, Bolsonaro ainda apresenta quadro de anemia, o que impossibilita sua liberação. O cirurgião Macedo disse que uma pessoa que teve tanta perda de peso e massa muscular fica exposto a infecções, baixa de imunidade, queda de pressão e desmaios:

"Ele não pode fazer viagens, não pode fazer atividade física mais prolongada. Tem de ter um repouso relativo para a recuperação final dentro de casa. Ele pode sair de casa por períodos muito curtos”.


Macedo disse que a retirada da bolsa da colostomia deve ocorrer depois do dia 12 de dezembro: "Ela pode ser retirada a partir de três meses da cirurgia, que ocorreu no dia 12 de setembro. Ele vai escolher a data. Essa cirurgia é muito mais simples e a recuperação é de duas semanas".

Posts recentes

Ver tudo

Centrão na Casa Civil, Onyx vai para o Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério, informa O Estado de S. Paulo. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civ

Mendonça para o STF, 'terrivelmente evangélico'

O presidente Jair Bolsonaro indicou formalmente o chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), André Mendonça, para assumir a vaga deixada por Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). A indi