top of page

A alta rejeição a Bolsonaro


Pesquisa DataPoder360 feita nos últimos dias de julho e divulgada hoje mostra Jair Bolsonaro (PSL) na liderança da corrida pelo Planalto num cenário em que o ex-presidente Lula (PT) não é apresentado como candidato. O capitão da reserva tem 20% das intenções de voto, mas enfrenta uma rejeição de 65%. No mês passado Bolsonaro tinha 21%.


Para o instituto, o principal adversário de Bolsonaro neste momento é Geraldo Alckmin (PSDB), uma vez que ambos disputam o eleitorado do centro para a direita. Desde maio o tucano agregou um ponto percentual por mês à sua taxa de intenção de voto. Tinha 7% em maio, passou a 8% em junho e em julho foi a 9%.


São mudanças percentuais dentro da margem de erro da pesquisa, mas que indicam uma possível – embora ainda incerta – tendência de crescimento do tucano. Alckmin tem problema semelhante ao de Bolsonaro: 62% rejeitam seu nome.


Essa rodada continua a indicar uma alta taxa de “não voto”, com 43% dos pesquisados dizendo que vão escolher branco, nulo, nenhum candidato ou que ainda estão indecisos.


O levantamento do DataPoder360 realizou três mil entrevistas por meio de telefones fixos e celulares de 25 a 28 de julho, em 182 cidades em todas as regiões do País. Os resultados:


1) Jair Bolsonaro (PSL) – 20%

2) Ciro Gomes (PDT) – 13%

3) Geraldo Alckmin (PSDB) – 9%

4) Marina Silva (Rede) – 6%

5) Fernando Haddad (PT) – 5%

6) Álvaro Dias (Podemos) – 4%

Brancos e nulos somam 33%. Não sabe/não respondeu, 10%.

Os entrevistados disseram também em quem não votariam de jeito nenhum:

1) Jair Bolsonaro, 65%

2) Geraldo Alckmin, 62%

3) Ciro Gomes e Marina Silva, 60%

4) Fernando Haddad, 57%

5) Jaques Wagner, 55%


Nesse quesito, e embora não seja candidato, a rejeição a Lula chega também a 60%.


Posts recentes

Ver tudo

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas teve repercussão negativa no exterior e entre observadores da política externa brasileira e parlamentares. Pa

Em nova derrota do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet e dificultava a remoção de conteúdo

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro participar de atos antidemocráticos e ameaçar “descumprir” decisões do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que

bottom of page